Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility

Notícias

Um dos maiores empreendimentos da América Latina

08/02/2021 21:10 - Atualizado em 08/02/2021 21:10

Praia Clube: um jovem e sábio senhor de 82 anos

No último dia 10 de julho, segunda-feira, o grandioso Praia Clube celebrou a 82ª primavera. A trajetória deste colossal empreendimento se mistura à história de muita gente que frequenta o Clube e que de alguma forma contribuiu para que ele fosse considerado, hoje, um dos maiores centros de esporte e recreação da América Latina. Buscando o lazer, a prática de esportes ou mesmo a companhia de amigos, essas pessoas conservam a tradição do Praia de formar verdadeiras famílias dentro do Clube, unidas por objetivos em comum.

Desde sua fundação em 10 de julho de 1935, muita gente já assistiu e participou de eventos no Clube, entre eles competições esportivas e festas, que contemplam os associados de diferentes faixas etárias. Essa diversidade de público é um dos ingredientes da receita do sucesso do Praia, que reconhece a importância de ver pais e filhos convivendo em harmonia dentro da Instituição, em um costume que atravessa e segue firme em direção ao futuro.

A HISTÓRIA

Um mergulho de quase oitenta anos na própria história de Uberlândia, uma volta ao início dos anos 30. O uberlandense gosta de dizer que o ‘seu’ Praia Clube é o cartão de visita desta terra. Gosta demais da conta. Frase que não cansa de repetir. Conforme costumava contar um de seus fundadores, José de Oliveira Guimarães, o clube não foi programado. Havia um grupo de freqüentadores do rio Uberabinha para a prática da natação, entre os quais ele também estava. Eram uns seis ou sete. Mais tarde, outros começaram a freqüentar o local, tomando banho nas águas do rio. Não tinha nome porque não havia clube naquele tempo.

Então, os freqüentadores do lugar, que era de propriedade do Coronel Constantino, continuaram a freqüentar o local, sendo que o proprietário jamais implicou com a “invasão” de suas terras. Contudo, ele tinha um genro que passou a “implicar” com os praianos, proibindo a natação em suas terras. Herdeiro do sogro, o personagem teve um papel fundamental na criação do clube, porque foi justamente a sua “implicância” que motivou a compra da área.

A turma de nadadores resolveu, então, pedir ao proprietário que vendesse um pedaço de terra à margem do rio, no que foi atendida em parte, porque ele só fez negócio com a chácara toda. Perguntaram o preço e concordaram: 35 contos de réis. Reuniram-se 12 pessoas e pagaram. Mais tarde então surgiu a idéia de transformar em clube. Naquela altura, o empresário Celso de Souza Queiroz já era freqüentador da beira do rio e se propôs a fazer a transformação daquele local em sociedade civil e constituir um clube, o que foi feito. Um frequentador recente na época, José Victor, fiscal federal, sugeriu o nome ‘Praia’ ao clube, por causa de uma praia de cascalho que havia justamente no local onde a turma praticava natação. Assim nasceu a denominação desta entidade, hoje, patrimônio mais caro de todos os uberlandenses, verdadeiro orgulho da cidade.

PIONEIROS

Diversas pessoas tiveram ativa participação durante estes anos de existência do Praia Clube, mas sua história começou com seus 12 fundadores: Boulanger Fonseca, Enéas de Oliveira Guimarães, Fausto Savastano, Floramante Garófalo, Gercino Borges, Hermes Carneiro, José Carneiro Júnior, José de Oliveira Guimarães, Lourival Borges, Mário Guimarães Faria, Oscar Miranda e Roman Balparda. Com a decisão de organizar o clube, a primeira diretoria teve como presidente de honra o então Prefeito Municipal, Vasco Giffoni. O primeiro presidente praiano foi Cícero Macedo, que com seus companheiros de diretoria mandou erguer um barracão com bar e vestiários, construído atrás da prainha e em seguida um trampolim de madeira, com dois lances.

Até 1945, o Praia Clube continuou como propriedade particular, quando então foi transformado em clube de direito. Já definido o nome, todos os diretores defendiam que o Praia tivesse as mesmas cores de seus times de futebol favoritos e para acabar com a divergência o uruguaio Roman Balparda sugeriu que fossem adotadas as cores preto e amarela, que não pertenciam a nenhum clube brasileiro, sugestão aceita de pronto para a alegria de Balparda, torcedor fanático do Peñarol do Uruguai, cujas cores são as mesmas, até os dias de hoje, do Praia Clube.

GRANDES OBRAS

O Praia Clube, sociedade civil criada oficialmente em 10 de julho de 1935, sempre teve como objetivo social oferecer uma completa infra-estrutura para atender as necessidades de lazer e entretenimento de seus associados, obedecendo a princípios e valores éticos, além de contribuir para o aperfeiçoamento das relações interpessoais. Hoje, a comunidade praiana pode ser considerada um verdadeiro núcleo familiar.

A área construída do clube deixa qualquer sócio, ou visitante, orgulhoso do que se vê. Uma de suas primeiras e marcantes obras é o Ginásio Adalberto Testa (GI) inaugurado em 1963 e que por causa de seu formato inusitado ganhou desde o início de sua construção em 1961 o apelido de “disco voador”. Ele possui capacidade para abrigar 2.000 pessoas sentadas ou até 6.000 em pé. Conta com um bar externo, com vista para a eclusa, onde aos domingos o associado pode curtir apresentações musicais ao vivo. Na área interna (coberta), um palco para a realização de grandes shows, amplos vestiários/toiletes, camarins, camarotes superiores e atendimento médico durante grandes eventos. O ginásio conta também com um restaurante e um bar. Para completar sua estrutura interna, quadras poliesportivas para a prática de esportes como futsal, basquetebol, vôlei, handebol e peteca. A área total do ginásio é de 4.926 m² e recentemente passou por uma reforma para melhorias no piso, grades de proteção e na pintura em geral.

No início dos anos 70, a Eclusa, obra considerada de suma importância para o crescimento do Praia, foi construída pela Prefeitura Municipal na primeira gestão do prefeito Virgílio Galassi (71/72) e que teve como projetista o então diretor geral do Dmae, José Pereira Espíndola, permitindo a subida do rio Uberabinha até a região do Clube de Caça e Pesca, sendo que em sua margem direita foi construído um emissário para escoar os resíduos de um antigo frigorífico que provocavam mau cheiro no local. Ao canalizar parte do volume de água para dentro do emissário, o odor teve fim.

Outras grandes obras foram edificadas ao longo de todos estes anos, a Academia de Musculação, o Bosque, o Complexo Infantil Geraldo Zago, Piscinas Aquecidas, o Recanto do Samba que ganhou o nome do então diretor social, Vilmar Martins Araújo, a Pista de Atletismo os ginásios Oranides Borges do Nascimento (G2) e Waltercides Borges de Sá (G3) e uma fantástica obra, feita pela diretoria liderada pelo saudoso Ragi Mansour abrigando a Sauna Masculina e o Complexo de Sinuca, além do Salão Ulisses Finotti. Para que tudo isso fosse concretizado, os dirigentes praianos não mediram esforços. Em 1980, foram adquiridos os terrenos da outra margem do rio, onde foram erguidas muitas destas principais obras, pois foi para atender a demanda de crescimento do quadro de associados que surgiu a idéia de construir uma passarela para viabilizar as obras à margem esquerda.

G4: ESTRUTURA DE 1º MUNDO PARA A FAMÍLIA PRAIANA

O Praia Clube apresentou, no dia 8 de maio de 2016, a mais nova obra projetada para atender aos anseios da Família Praiana. O G4 (Academia do Futuro ? Formação de Atletas) é uma edificação colossal com quatro andares: Nível G3, Intermediário, Térreo e 1º Pavimento, tendo também um Mezanino. São 7.041,77m² total de área construída. O formidável ginásio contempla os associados com elevadores, sanitários, piscina aquecida, cinco quadras poliesportivas, depósito de material esportivo e muito mais. A piscina tem 18m de comprimento, 10,5m de largura e 1,20m de profundidade.

No G4, serão ensinados valores que são muito mais do que simples regras e modos de fazer. No local, serão formados cidadãos conscientes do que o esporte pode trazer de positivo para a vida de cada um. Várias famílias comemorarão a cada ponto, a cada braçada, a cada gol. O espaço atenderá a faixa etária de 6 meses a 14 anos. O voleibol será a única modalidade que terá categoria adulta. Por ora, as modalidades à disposição no G4 são: Escolinhas de Futsal, Handebol (inédito no Praia Clube), Voleibol, Natação para Bebês e Infantil, mais o Curso Esportivo Universal (CEU).